Eu, Meus Filhos e os Games 7


Hoje estou aqui para contar um pouquinho sobre a minha relação Videogame x Filhos. Tive o prazer de ter pais que cultivaram essa relação em minha infância, entre eu e meus irmãos e, acreditem, nos rendeu ótimos momentos de diversão em família; nos quais guardamos com carinho em nossa lembrança.

tv e videogameBom, sou da geração ATARI/ODYSSEY. Jogava eles com meu irmão mais velho por volta de 1986, em uma TV super antiga, uma das primeiras que apareceu com controle remoto. Nessa época, era muito comum escutar algumas frases da minha mãe, tipo: “Não fica perto da televisão… dá dor de cabeça e faz mal pra vista…”, “Não fica com o videogame ligado muito tempo porque vai queimar a TV…”, e muitas outras desse tipo. O fato é que não era o excesso de “jogar videogame” que fazia mal ou faz mal… Era o fato de ficar próximo à tela da TV que causava enjoos e até dor de cabeça. Aliás, problema que foi resolvido, pois a partir dos anos 90 os televisores fabricados não emitem tanta radiação quanto os modelos antigos. Quanto a estragar a TV, talvez fosse um jeito que, não só a minha mãe, mas as outras mães, tenham achado para que não ficássemos muito tempo jogando… ou ainda por que estava na hora da novela… rsrsrsrs…..

Com isso, temos uma segunda questão: o controle exercido pelos pais quanto ao horário e o tempo adequado para que as crianças façam uso do videogame. Ainda é comum escutar que videogame demais “vicia”. Vamos lá. Segundo pesquisadores, jogar videogame é bom, causa prazer, o que significa que faz o cérebro gerar “dopamina”. Para quem não sabe, dopamina é conhecido como o “hormônio do prazer”, liberado quando comemos algo gostoso, praticamos atividade física, e muitas outras atividades que realizamos em nosso dia-a-dia. Apesar de trazer tantos benefícios, esse hormônio também é o grande causador do vício. E é aí que voltamos à nossa questão: os pais precisam exercer um controle sobre o horário e o tempo em que a criança utilizará o videogame, de forma que não se torne uma dependência.

Como disse no Nós Nerds Cast (NNC) 03: Pais, Filhos e Vídeogames, sou  mãe de duas crianças: a Camila (9 anos) e o Pedro (6 anos). Ambos jogam videogame e se divertem. Mas, o tempo todo com supervisão. Meus filhos tiveram um primeiro contato com o Nintendo Wii, com jogos interativos onde passavam horas entretidos. A segunda experiência já foi com Xbox 360, com jogos de esportes, aventuras radicais, tetris, corrida, dança, entre outros (ver figura abaixo). Algumas vezes, jogo com eles, outras, não consigo devido aos muitos afazeres diários. Essa é uma das formas que usamos para passarmos um tempo juntos, interagindo, rindo, se divertindo, aprendendo a enfrentar situações de confronto, de desafios, aprendendo a desenvolver o raciocínio, o poder de decisão, as escolhas feitas e suas consequências.

games

Como também comentei no NNC 03, sou fã de Mortal Kombat (MK) e comecei a jogar MK 2, um jogo antigo. Mas a questão é o gosto pessoal. De certa forma, me lembra minha infância… as horas jogando com meus irmãos (como a família feliz a seguir)… as brigas porque alguém “apelava” para ganhar… Nas duas últimas semanas tive uma experiência sensacional… Meu pai com seus 65 anos, meu irmão e eu jogando e se divertindo. Foi muito engraçado. Passamos uma hora e até meu filho arriscou uma luta. Acho que o mais importante de tudo é isso. Essa união que nos proporcionou, a diversão, a tensão do dia aliviada aí, em pouco tempo, fazendo o que gosta, com pessoas que são importantes no seu dia a dia. Lembrando que, mesmo sendo um jogo considerado violento, meu filho estava sob minha supervisão. Jamais deixaria ele jogar sozinho!

familia jogando II

E para encerrar, gostaria de deixar um conselho a todos os papais e mamães que ainda se consideram gamers: façam parte dessa etapa dos seus filhos, dentro do possível. Não só com videogame, mas também com tudo que você puder acompanhar. E se o videogame for tão importante na vida dos seus filhos, faça parte disso! Garanto que será muito prazeroso e recompensador!

Se você gostou deste post não deixe de registrar sua participação através de dicas, sugestões, críticas e/ou dúvidas. Assistam também ao NNC 03 em nosso site. Aproveitem para assinar o Blog e o canal do Youtube para acompanhar nossas publicações e ficar por dentro das notícias do mundo gamer, concursos e promoções!

Paula Souza (Facebook: psouza2016 e Twitter: @paulapt2k), a voz feminina do Nós Nerds! Professora de Língua Portuguesa e Língua Inglesa, amante de leitura e Literatura, além de gamer nas horas vagas.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 pensamentos em “Eu, Meus Filhos e os Games

    • Paula Teixeira

      Obrigada, Allan. Sabe que quando estava escrevendo também me lembrei com carinho da minha infância e dos meus irmãos… Bons tempos… Bj!!!

  • Miguel

    Parabéns Paulinha, ótimo post, eu mesmo me lembro quando jogava com meu irmão mais novos e era briga certa, rs. Hoje jogo com o meu filho (desde de pequeno) e até mesmo ele criou uma rivalidade sádia comigo (também temos nossas brigas de jogo, mais tá valendo), hoje já é um adolescente e nos divertimos jogando Halo 5, rainbow six siege, entre outros, realmente é muito bom. Bj e bem vinda.

    • Paula Teixeira

      Olá, Miguel. Obrigada pelo carinho! Meu filho já está entrando nessa fase comigo mas, como vc disse, é uma rivalidade sadia Rsrs. Muito bom dividir esse tempo com eles! Bjs!

  • Rita de Cassia

    Excelente! Matéria interessante que me fez viajar no tempo em que eu jogava muito o Atari e mais tarde o Nintendinho e o SNES com minhas filhas! Parabéns!!!