Pesquisa Game Brasil 2016 11


Estão sendo divulgados os resultados da pesquisa Game Brasil 2016, com algumas questões bem interessantes para o mercado de Games no Brasil. A pesquisa foi realizada pela agência Sioux de tecnologia interativa, pela Blend New Research, empresa de pesquisa especializada em consumo e a Game Lab, divisão da ESPM dedicada à experimentação e pesquisa de jogos.

Como não poderia deixar passar em branco vamos comentar alguns desses resultados.

Elas mandam no Jogo

Cada vez mais mulheres jogam no Brasil (que lindo!), O público feminino vem crescendo de 41% do total, de 2013, passando por 47,1% em 2014 e chegando aos 52,6% do mercado em 2015.

MxH PGB2016Rapaziada, é melhor respeitar mais as mulheres, já são maioria. Não que respeitar mulheres deva ser só por esse fato, mas essa conversa, deixamos para outro post.

Plataformas

SmatrphoneO seu console não é o mais usado pelos gamers… Isso mesmo, acabaram os seus sonhos. Os telefones ainda são líderes no mercado de games. Com 77,2% do gamers usam esta plataforma, seguido por computadores e consoles, 66,9% e 45,7%, respectivamente.

Mas onde vocês gostam de jogar? A pesquisa revela que aqui a coisa pega fogo. Os telefones (Alguém ainda usa para fazer ligações?) lideram com 34,4% , seguidos de perto pelos computadores com 30,1% e consoles com 29,9%. Aqui acredito que seja pelo fato de todos terem smartphones com bons jogos, é uma plataforma mais acessível ao público geral e pelas necessidades dos dias atuais de todo mundo precisar ser achado em qualquer hora e lugar.

Tem um fato declarado na pesquisa que me deixou intrigado, só 11% das pessoas se considera gamer de verdade. Ainda existe um grande preconceito que jogar é coisa de criança. Se isso for verdade, quem está aqui, é uma criança de quase meio século.

O Mais Popular

ConsolesSegundo os dados da pesquisa, o Xbox 360, com seus 10 aninhos, continua o mais popular entre os brasileiros. Sendo o console de 40,9% dos entrevistados, seguem na lista dois consoles da Sony, PS2 com 35,3% e o PS3 com 29,5%. Na preferência do público o console da Microsoft continua na liderança com 31,9% seguido pelo PS4, com 24,7%. Usando as marcas como parâmetro a Sony tem 50,9% da preferência contra os 44,2% da Microsoft.

Parando para analisar, entendo (posso estar equivocado) que muitos tem um X360 e um PS(2 ou 3) e preferem jogar no console da Microsoft. Quem tem um PS4 gosta mais dele do que dos consoles anteriores, nada demais levando em conta as novidades do console. Mas quem tem mais de um console em casa e tem um X360, fez o resultado da pesquisa.

E-sports

Me preocupam os números nesta parte da pesquisa, 63% dos entrevistados nunca participou de um campeonato. Somente 3,4% já participaram de eventos com organização oficial e premiação. Como ter bons jogadores de nível internacional, sem ter uma base grande de jogadores. Os times e jogadores, reconhecidos e ganhadores, são verdadeiros lutadores em um mercado tão frágil.

Dos entrevistados, 18,6% já disputaram um campeonato, com uma equipe profissional, contra 81,4% de equipes amadoras. Sendo que 72,5% nunca ganharam nenhum dinheiro jogando games.

O público existe, ainda que pequeno, apenas 26% assistiu algum evento de eSports profissional. Destes, 71,2% pela internet, 34,5% no local da disputa.

Mercado

PCsA maioria dos consoles são vendidos em lojas oficias (68,5%), a maioria, 70,3%, compra em revendas oficiais pela garantia. E mantém o mesmo padrão na hora de comprar os jogos, sendo que jogos usados atraem uma boa parte do público (46,1%) pelo preço atrativo.

Um fato interessante é o que 64,8% dos jogadores compram até 3 jogos por ano. Se compramos somente 3 jogos em tantos lançamentos, aqueles que compramos deveriam nos tratar melhor, trazendo mais conteúdo no lançamento e menos DLCs caça níquel (aqueles que não fazem diferença no jogo, skins, armas coloridas e etc.).

Os jogos dublados fazem sucesso, como a dublagem dos jogos, mas não há dados na pesquisa que tive acesso, sobre opinião de dublagens (qualidade, estúdio com a melhor dublagem e etc.).

Os pais, 85,6% dos entrevistados, jogam com seus filhos, um número que revela a grande procura de promoções com dois controles. Sendo que 65,8% dos pais tem ressalvas, mas gostam que os filhos joguem, controlando mais os jogos que jogam do que o tempo, 62,2% contra 52,8%.

Fonte: Pesquisa Game Brasil

 

Eduardo “Sgt Rock 1967” Rocha é o idealizador do Nós Nerds! Técnico em informática e gamer inveterado e veterano.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 pensamentos em “Pesquisa Game Brasil 2016

  • R41D3N 360

    Eu fiz uma comparação, aqui em casa mesmo. Eu tenho meu Xbox one né, e meu irmão um ps4 mais comparando bem a MS perde legal pra sony devido a instalações de jogos . Lá no PS4 vc instala, um jogo em menos de 5 minutos e aqui no ONe demora pakas.E mesmo assim, não é tão rápido como deveria ser. A MS deveria trabalha mais isso viu

  • R41D3N 360

    Eu mesmo tenho meu Xbox one , e sou feliz com ele. Eu já tive um ps1, e ps2 não tenho que reclama deles. Mais sem duvida eu prefiro a MS .Agora sobre o respeito aos jogadores assim como as mulheres e homens devem se respeitar afinal respeito é bom e a gente gosta né ^^

  • R41D3N 360

    Veja no youtube tem gente babaca, falando que o Xbox one vai da morte no console Por causa que o Xbox one + os jogos do pc iram juntar junto com o console .E a MS vai abandona o Xbox one ,ridículo esses vídeos que os youtubers postam vei. A MS mesmo falou que não vai abandonar o Xbox one .Por que e a plataforma que eles estão tento mais atenção, pro mercado e consumidor e o próprio Xbox one . Geralmente é sonystas falando merda do que não sabem ultimamente =/ é vergonhoso em ver isso ainda mais no youtube

    • Sgt Rock 1967 Autor do post

      Infelizmente, é quase sempre assim quando se conversa sobre games. meu console é maior, melhor, mais rápido e etc. Não se fala mais pela diversão de “Jogar O Bom Jogo”. Mas aqui no Nós Nerds, tem espaço para todo mundo. Ainda não achamos colaboradores para outras plataformas, mas vamos chegar lá.