23 de julho de 2024
Escute este Post
Notícias

Alexandre Rangel Lança NFTs Criados com IA

Com animações de inteligência artificial, música generativa e apps interativos de remix audiovisual, << i’m not a robot >> é um projeto de NFTs ímpar

Será lançado no dia 9 de novembro no site https://imnotarobot.xyz e na arena MetaMundi, durante o Rio Innovation Week, o projeto de NFTs << i’m not a robot / eu não sou um robô >>, de Alexandre Rangel. Doutor em Arte e Tecnologia pela UnB, Rangel trabalha desde os anos 90 com videoarte, música experimental e criação de software livre audiovisual.

O projeto evolui de animações sonorizadas de olhos de robôs, até cabeças e robôs completos, cada um com novos elementos audiovisuais. Todos os elementos poderão ser reorganizados de forma interativa pelo público, por meio de aplicativos Web 3 e no Metaverso.

Banner da parceria com No Ping.

Representando uma nova tendência das artes plásticas e das novas tecnologias de imagem, as animações são criadas com processos de inteligência artificial. Nessa técnica, o artista se comunica com a máquina por meio de textos descritivos, em uma mistura de programação e poesia como nova prática criativa.

Rangel coloca: “Eu não ficava tão entusiasmado com uma possibilidade artística em 30 anos de pesquisa e produção em arte e tecnologia. Assim como quando foram desenvolvidos os primeiros softwares de 3D, nos anos 1990. E há quem compare a utilização da Inteligência Artificial na produção de imagens com o advento da fotografia – uma revolução técnica e estética.”

A primeira fase (coleção “EYEz”) é composta de 5.000 NFTs com animações de Inteligência Artificial e Música Generativa. Cada  trilha sonora foi criada a partir de código de programação, permitindo variações sutis dentro do mesmo tema musical.Alexandre Rangel. Imagem do projeto i'm not a robot

Em seguida será desenvolvido um app com novas possibilidades visuais e musicais, incluindo remix feitos pelos usuários. Um dos destaques é o aplicativo web Remix LAB, em que os colecionadores podem conectar seus NFTs e fazer novas criações audiovisuais, em um sistema único de interatividade em arte contemporânea.

As coleções de NFTs audiovisuais ‘HEADz’ e ‘ROBOTz’ tem lançamento previsto para o início de 2023, adicionando novos elementos visuais e camadas musicais.

No sistema Metaverso, os colecionadores poderão interagir com outros participantes, em um ambiente 3D criativo. Nesta última fase, o público poderá desenvolver  experiências colaborativas de artes visuais e sonoras em um universo futurista cibernético, misturando as partes robóticas e as camadas sonoras únicas dos seus NFTs.Alexandre Rangel. Imagem das fases do projeto i'm not a robot

O projeto intensifica sua ligação com as artes plásticas, introduzindo a possibilidade de impressão dos NFTs em mídia fine-art tipo canvas, por meio de sorteios e encomendas.

Graças a capacidade de interatividade audiovisual entre o público participante, o projeto torna-se uma obra aberta. Os colecionadores tornam-se então agentes ativos na construção em um loop infinito de inovações e desenvolvimentos constantes.

Nesta série de arte e música gerada por Inteligência Artificial, temos um vislumbre de um tempo imaginado em que a evolução trouxe para a humanidade uma maneira de se preservar muito depois da morte de nossos recursos naturais. O nascimento da nova expressão humana veio com a procura e reuso de peças eletrônicas e biológicas e autoconstruções de conchas exoesqueléticas para as mentes e almas no Século XXX. Os humanos se transformaram em robôs ao carregar memórias, pensamentos, comportamentos, sonhos e emoções. Os robôs agora nos lembram de nossas imperfeições, habilidades, deficiências e mortalidade iminente. Os retratos da vida dos personagens robóticos potencializam discussões sobre a longevidade e resistência da raça humana, com sua busca constante pela individualidade – e questionando o que realmente nos torna humanos. A humanidade dos robôs está nas imperfeições”, descreve Rangel.

Alexandre Rangel. Foto do artistaAlexandre Rangel é um artista multimídia brasiliense, PhD em Arte e Tecnologia, trabalhando desde os anos 1990 com videoarte, música experimental e criação de software audiovisual. Desenvolveu o software livre “Quase-Cinema VJ software”, uma plataforma para criação de cinema ao vivo, experimentação audiovisual e arte-educação. Bacharel em Artes Plásticas (UnB); Mestre em Arte – Área de pesquisa: Educação em Artes Visuais (UnB); Doutor em Arte e Tecnologia pela Universidade de Brasília com a tese “O artista como desenvolvedor de sistemas computacionais: experiências audiovisuais”. Reconhecido internacionalmente, o artista é representado pela Metaverse Agency, que lançará a coleção EYEz durante o Rio Innovation Week 2022.

“O artista multimídia brasiliense Alexandre Rangel (VJ Xorume) é um criador elevado ao quadrado: desenvolveu um software engenhoso de manipulação de vídeo em tempo-real, que está sendo utilizado por VJs do mundo inteiro”, prestigia  Gilberto Gil.

Banner de parceria com Brasil Game Show

Informe Publicitário

Se você gostou deste post não deixe de registrar sua participação através de dicas, sugestões, críticas e/ou dúvidas. Aproveitem para assinar o Blog e o canal do Youtube, e participem do nosso grupo do Facebook para acompanhar nossas publicações e ficar por dentro das notícias do mundo gamer, concursos e promoções!

Sgt Rock 1967

Eduardo "Sgt Rock 1967" Rocha é o idealizador do Nós Nerds! Técnico em informática e gamer inveterado e veterano.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.