20 de junho de 2024
Escute este Post
Cinema e TVEscritos

Jumanji- Próxima Fase, Que Não Seja a Última

Jumanji é uma série de filmes surpreendente pela forma que se conseguiu expandir a aventura, se considerarmos como o livro original de Chris Van Allsburg é curto. Mesmo no filme de 1995, protagonizado pelo saudoso Robin Williams, um livro infantil de menos de 30 páginas virou uma tremenda aventura e se manteve no coração dos nostálgicos até hoje.

Corta para 2017 e temos Jumanji – Bem Vindo à Selva. não um reboot, mas uma continuação que faz o jogo evoluir de tabuleiro para cartucho de videogame e assim atrair novos jogadores para seus perigos. Mais do que isso, mostra de forma sutil lições de humildade, iniciativa e coragem para quatro jovens. Tudo isso com um elenco encabeçado por Dwayne Johnson, Jack Black, Karen Gillen e Kevin Hart, sob a batuta de Jake Kasdan, vejam só, filho do lendário diretor e roteirista Lawrence Kasdan (Star Wars e Indiana Jones ).

O que nos leva à Jumanji- Próxima Fase. O filme tinha o desafio de trazer novidade ao universo recriado. A solução: acrescentar mais jogadores e mudar todas as possibilidades pegando a história de onde o filme de 2017 parou. Com o jogo danificado, todas as certezas se perdem. Nesse cenário, Spencer (Alex Wolff), deprimido, conserta o jogo e parte para Jumanji em busca de aventuras, para desespero de Fridge, Bethany e Martha, que decidem resgatá-lo.

Só que o jogo, defeituoso e cheio de bugs, acaba puxando os jogadores sem nem deixar que escolham seus personagens e ainda, carregando mais dois participantes: o avô de Spencer, Eddie (Danny DeVito) e seu ex-sócio e desafeto Milo (Danny Glover). E é aqui que o jogo (e o filme) fica interessante. Os jogadores trocam seus avatares, arrancando novas e sensacionais performances de Dwayne Johnson, Kevin Hart e Jack Black. Mas quem se destacou mesmo, na opinião deste escriba foi a atriz Awkwafina, no papel da nova avatar Ming Fleetfoot. Suas interpretações dos dois jogadores que a assumem no filme são hilárias.

O filme de 2017 é relativamente melhor, pelo ar de novidade. Mas este aqui se sai muito bem porque mantém o tom, e, embora não hajam conversas sob um terceiro filme, o gancho deixado é bem curioso e o deixa bem parecido com aquele saudoso filme de 1995. Muitas possibilidades que eu espero serem exploradas. Agora tudo é possível, apenas se mantém uma ordem: Basta Jumanji salvar e seu nome, gritar.

Ps: o filme fica ainda melhor com a versão brasileira. Os dubladores fizeram um trabalho incrível de dupla interpretação de papéis.

Informe Publicitário
Adquira já

 

 

Se você gostou deste post não deixe de registrar sua participação através de dicas, sugestões, críticas e/ou dúvidas. Aproveitem para assinar o Blog e o canal do Youtube, e participem do nosso grupo do Facebook para acompanhar nossas publicações e ficar por dentro das notícias do mundo gamer, concursos e promoções!

Mentorbreak

Sérgio "Mentorbreak" Fiore é revisor do Nós Nerds, porém não deixou sua paixão por blog e não conseguiu ficar longe das postagens.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.